Sábado, 25 de Agosto de 2007

DUBAI - Cidade Relâmpago IV

“Convidados de um casamento colectivo. O governo financia estes eventos para encorajar a união entre naturais da cidade, pois os estrangeiros encontram-se em maioria numa proporção de oito para um.”

“Convidados de um casamento colectivo. O governo financia estes eventos para encorajar a união entre naturais da cidade, pois os estrangeiros encontram-se em maioria numa proporção de oito para um.”

 

Um assunto delicado tem sido a discussão sobre quem de facto trabalha arduamente, contribuindo para o progresso do Dubai. Demograficamente, o Dubai não parece ser uma Cidade-Estado árabe: menos de um em cada oito dos residentes do país são cidadãos dos Emirados, e trabalhadores convidados do sul da Ásia constituem mais de 60% da população. Indianos com elevado nível de habilitações, vivem confortavelmente no Dubai, e alguns enriqueceram. "O Dubai é a melhor cidade da Índia", gracejam os afortunados. Para outros, contudo, o Dubai é um beco sem saída.

 

“Mais de metade da população reside em acampamentos como este, onde os operários repousam em dormitórios sobrelotados. A maioria deve dinheiro da viagem para o Dubai. Muitos esperam meses até receberem o salário; alguns nunca chegam sequer a vê-lo.”

“Mais de metade da população reside em acampamentos como este, onde os operários repousam em dormitórios sobrelotados. A maioria deve dinheiro da viagem para o Dubai. Muitos esperam meses até receberem o salário; alguns nunca chegam sequer a vê-lo.”

 

A agitação de trabalhadores nos bairros pobres onde vivem dezenas de milhares de empregados temporários, é uma constante. As barracas ficam no meio de deteriorados prédios baixos, as ruas são de terra e cascalho, cheias de lixo. Os homens de tez morena, vestidos com camisas de alças, calças largas e chinelas de plástico, participam constantemente em greves, estão fartos de ser mal tratados e viverem em condições "sub-humanas", segundo a organização Humans Rights Watch, cada trabalhador médio do Dubai ganha cerca de 3.8€ por dia, trabalhando em turnos de 12 horas sob um calor abrasador.

Segundo a Human Rights Watch, em 2004, registou-se a morte de 900 operários da construção civil do Dubai, onde já estavam incluídos os óbitos por insolação.

 

“Para os trabalhadores de classe social mais baixa, como estes homens do sul da Ásia que apanham o hidrotáxi para chegar ao trabalho, a vida no Dubai pode tornar-se uma escravidão.”

“Para os trabalhadores de classe social mais baixa, como estes homens do sul da Ásia que apanham o hidrotáxi para chegar ao trabalho, a vida no Dubai pode tornar-se uma escravidão.”

 

Sabe-se que muitos dos trabalhadores, estão “presos” no Dubai, Não têm como partir, Endividaram-se com agentes sem escrúpulos que lhes cobraram honorários exorbitantes pelos vistos de trabalho, antes de saírem dos seus países. "Se eu não tivesse de saldar a minha dívida, voltaria hoje", "Não temos nada", poderiam perfeitamente ser, as palavras de ordem de um qualquer trabalhador de baixa estatura e rosto encovado, oriundo da província indiana de Kerala. "Temos uma vida de pesadelo aqui, e ninguém se importa."

 

Reagindo a esses abusos e à má publicidade que eles geram, o governo anunciou recentemente que permitiria a sindicalização dos operários e ordenou aos empreiteiros que interrompam os trabalhos nas obras, quatro horas por dia nos períodos de maior calor durante os meses de Julho e Agosto.

 

“O Palmar Jumeirah - ilha artificial em forma de palmeira projecta-se audaciosamente no Golfo Pérsico. A “oitava maravilha do mundo” duplicou a orla costeira do Dubai em 70Km, ... mas também alterou significativamente o ecossistema costeiro.”

“O Palmar Jumeirah - ilha artificial em forma de palmeira projecta-se audaciosamente no Golfo Pérsico. A “oitava maravilha do mundo” duplicou a orla costeira do Dubai em 70Km, ... mas também alterou significativamente o ecossistema costeiro.”

 

Não terminam aqui os problemas de Dubai. Criar ilhas artificiais, ainda que extravagante, é brilhante no aspecto comercial, - na região das docas, o preço dos imóveis varia entre os 5.3 e 23 milhões de euros - mas nesse processo, segundo os ambientalistas, o Dubai matou os recifes de coral, destruiu os locais de nidificação de tartarugas e desestabilizou a ecologia marinha da região ocidental do golfo Pérsico. E, por trás dos arranha-céus resplandecentes, esconde-se um mundo nocturno de hotéis baratos, prostitutas, máfias indiana e russa, lavagem de dinheiro e contrabando de armas, diamantes e outros artigos, inclusive seres humanos.

 

Parte IV - Dubai, cidade relâmpago.

publicado por: Pangea às 12:42
link do post: | adicionar aos favoritos:

.Curiosos

.Horas, Minutos e ... Segundos

.autor:

.- curioso? - procure aqui:

.Agosto 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.recém-nascidos:

. DUBAI - Cidade Relâmpago ...

. Ouvi dizer que... A inten...

. CHINA - Cidades Instantân...

. As "primas" do mestre-de-...

. As "primas" do mestre-de-...

."torre do tombo":

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.temas

. ouvi dizer que...(10)

. ... as obras-primas do mestre(5)

. china-cidades instantâneas.(4)

. dubai-cidade relâmpago(4)

. arquitectos da antiguidade(3)

. arquitectos da idade média(1)

. teóricos do urbanismo(1)

. todas as tags

.http://www. ...

RSS
blogs SAPO

. - Jackpot 28 ou... Hit Parade 56.

. ...na hora

.faça chuva ou faça sol ...

Weather Forecast | Weather Maps

.Curiosos desde 9.6.2007